Utilização da difração de Raio-X para análise de arcabouço cerâmico biofabricado por impressão 3D

  • Beatriz Pereira Monteiro Da Silva Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Luisa Rodrigues Alparone Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Maria Clara Frotté Albuquerque De Oliveira Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Alícia Barbosa Lopes Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Beatriz Guimarães Jardim Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Perla Mariana Spozito Santos Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Luiza Henrique Esteves Pacheco Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Luis Eduardo Carneiro-Campos Universidade Federal Fluminense - UFF
Palavras-chave: Bioengenharia, Regeneração óssea, Difração de raios-x

Resumo

 

Introdução: A busca por retorno à forma e função de lesões maxilo-faciais se mostra promissora com os avanços em biofabricação de arcabouços impressos por tecnologia tridimensional, principalmente devido à simplicidade técnica e baixa morbidade em relação aos enxertos ósseos autógenos. A possibilidade de mimetizar o tecido ósseo nativo, parece se tornar viável com os avanços físico- químicos e respostas biológicas das tintas de biomateriais. Entretanto, como limitação à técnica da biofabricação de arcabouços biocerâmicos, a alta cristalinidade decorrente das temperaturas necessárias à sinterização, representa um obstáculo a resposta celular para remodelação óssea. Objetivo: O objetivo do presente trabalho é apresentar a difração de Raios-X como método a auxiliar a avaliação da cristalinidade dos materiais para o desenvolvimento de arcabouços biomiméticos customizados que possam ser utilizados em reconstruções ósseas maxilo-faciais. Metodologia: Foi realizada pesquisa na base de dados Pubmed, utilizando os descritores Decs: Bone substitutes, calcium phosphates, x-ray diffraction, com o index “E”, e filtro para últimos 10 anos. Discussão: Os aspectos biofísicos da superfície dos arcabouços biofabricados são fatores importantes para a sua interação satisfatória com o microambiente vivo, dentre os quais deve-se destacar a cristalinidade do material. Esta pode ser quantificada através do método de difração de Raios-X (DRX), que se apresenta como uma técnica não invasiva e não destrutiva capaz de prover informações sobre os parâmetros estruturais dos cristais componentes dessa matriz sintética, através do grau de difração da radiação que os atinge durante o ensaio, proporcionando uma avaliação precisa da estrutura cristalina. Conclusão: O DRX se mostra como método capaz de analisar precisamente a estrutura cristalina dos biomateriais preenchedores ósseos, balizando o desenvolvimento de materiais biomiméticos. Entretanto, há pouco foco para aplicabilidade desta tecnologia como auxiliar nas pesquisas desses materiais.

Publicado
28-12-2021
Como Citar
Da Silva, B. P. M., Alparone, L. R., De Oliveira, M. C. F. A., Lopes, A. B., Jardim, B. G., Santos, P. M. S., Pacheco, L. H. E., & Carneiro-Campos, L. E. (2021). Utilização da difração de Raio-X para análise de arcabouço cerâmico biofabricado por impressão 3D. Revista De Odontologia Contemporânea, 5(1 Supl 2), 54-55. https://doi.org/10.31991/v5n1sup22021ldifracaorx