Diferenciação de lesões benignas de malignas da cavidadade oral: revisão de literatura

Palavras-chave: Patologia bucal, Diagnóstico, Neoplasias

Resumo

Introdução: Variadas são as lesões que acometem a cavidade oral. Constantemente, ocorre o desenvolvimento de neoplasias benignas e malignas de origens teciduais variadas, bem como o aparecimento de lesões reacionais. Assim, processos proliferativos da cavidade oral, constituem um campo de estudo de grande interesse aos Cirurgiões-dentistas, que deve exercer um raciocínio diagnóstico em função da diferenciação da natureza reacional/neoplásica benigna  ou maligna das lesões da cavidade oral. Objetivo: Apresentar características clínicas de lesões orais que favorecem raciocínio diagnóstico visando aumentar o conhecimento de Cirurgiões-dentistas para a melhor realização de diagnósticos de lesões orais dentro da Odontologia. Metodologia: Consiste em uma revisão de literatura exploratória, tendo como principais bases de dados Scielo e Google Acadêmico. Discussão: O diagnóstico é um processo que deve ser construído por meio de sinais e sintomas. Assim, vale salientar que raciocínios diagnósticos são inicialmente construídos visando o que é mais provável frente ao caso clínico do paciente. Lesões reacionais estão diretamente ligadas a uma irritação crônica de baixa intensidade que estimulam uma resposta tecidual, acarretando em crescimento dos tecidos moles que podem ser bastante semelhantes a um grupo diversificado de processos patológicos. A aparência clínica é semelhante à mucosa oral podendo ocorrer em vários sítios intra orais. Em relação as neoplasias, tal palavra está relacionada a uma proliferação celular não controlada pelo organismo, apresentando tendência de crescimento, e que pode ser benigna ou maligna, ou seja, de acordo com o seu potencial de causar danos ao indivíduo. Neoplasias (tumores) benignas da cavidade oral tendem a apresentar crescimento lento, expansivo levando a compressão de tecidos vizinhos, ocorrendo a formação de uma pseudocápsula fibrosa. Tem o aspecto do tecido circunvizinho, podendo ter base séssil ou pediculada. Já as neoplasias malignas, o crescimento é rápido, desordenado, infiltrativo, não tendo a formação desta pseudocápsula, e não apresenta aspecto parecido ao tecido circunvizinho. Vale ressaltar, que o Carcinoma de Células Escamosas, a neoplasia maligna mais comum da cavidade oral, está frequentemente associadas à presença de fatores de risco, como tabagismo, etilismo, e exposição solar. A partir do exposto, vale dizer que a anamnese é fundamental para auxílio na realização de diagnósticos, e que frequentemente exames histopatológicos, advindos da realização de biópsias orais, são necessários para a confirmação de diagnósticos clínicos, favorecendo um diagnóstico definitivo. Conclusão: Conclui-se que a compreensão das características clínicas, e a associação à realização de uma anamnese bem detalhada, favorecem um raciocínio diagnóstico e a realização de diagnósticos diferenciais frente as lesões da cavidade oral. Biópsias devem ser realizadas dentro de suas indicações, assim, contribuindo para um tratamento adequado e favorecendo um prognóstico positivo.

Publicado
27-12-2021
Como Citar
Santos, L., Almeida Oliveira, P., Carvalho, L., Rabelo, A. H., Santos, L., & França, M. M. (2021). Diferenciação de lesões benignas de malignas da cavidadade oral: revisão de literatura. Revista De Odontologia Contemporânea, 5(1 Supl 2), 14-15. https://doi.org/10.31991/v5n1sup22021lesoesbm