TRATAMENTO ENDODÔNTICO REALIZADO COM INSTRUMENTAÇÃO ROTATÓRIA: REVISÃO DE LITERATURA

  • Carla Regina Marcolino Campos Faculdade Patos de Minas
  • Ana Paula Gonçalves Silva
  • Grazielle Aparecida de Souza Faculdade Patos de Minas
  • Eduardo Silva Botelho Faculdade Patos de Minas
  • Leopoldo Barboza Martins Faculdade Patos de Minas
  • Dalila Viviane de Barros Faculdade Patos de Minas
Palavras-chave: sistemas automatizados, sistema rotatório, tratamento endodôntico

Resumo

Sabemos que o tratamento endodôntico para ser bem-sucedido deve obedecer todas as fases, desde um acesso cirúrgico adequado, odontometria correta e preparo biomecânico. O preparo biomecânico deve se levar em consideração a curvatura do conduto e ter como objetivo a retirada de materiais orgânicos e inorgânicos, além de dar uma boa conicidade ao canal. Estudos mostram que somente a instrumentação manual pode não ser favorável para atingir este objetivo, principalmente em condutos com curvaturas acentuadas e atrésia.Com o passar do tempo a endodontia tem tido grandes mudanças tecnológicas. Essas mudanças favorecem a qualidade do tratamento, diminui o estresse do paciente, praticidade para o profissional e minimiza o tempo e tratamento.O objetivo deste trabalho será apresentar as vantagens e desvantagens no uso da técnica de instrumentação rotatória comparado com outras técnicas de instrumentação. Para este trabalho foram utilizados 15 artigos e o capítulo de 1 livro. A automação do preparo do canal radicular é uma realidade, nenhuma fase do tratamento endodôntico vivenciou significativa evolução como a instrumentação, graças ao desenvolvimento expressivo dos instrumentos rotatórios, o que justifica a necessidade de estudos a respeito do assunto.

CAMPOS, CRM et al.
Publicado
26-12-2018
Como Citar
Campos, C., Silva, A. P., Souza, G., Botelho, E., Martins, L., & Barros, D. (2018). TRATAMENTO ENDODÔNTICO REALIZADO COM INSTRUMENTAÇÃO ROTATÓRIA: REVISÃO DE LITERATURA. Revista De Odontologia Contemporânea, 2(2), 58-61. https://doi.org/10.31991/2594-8474/v2n22019/endo
Seção
Revisão de literatura