Xerostomia, Diagnóstico e Tratamento.

  • Priscila Gontijo Vergutz
  • Mariana Tallya Fideles Silva Faculdade Patos de Minas
  • Lallesca Cristina Sousa
  • Aletheia Moraes Rocha
Palavras-chave: xerostomia, boca seca, tratamento

Resumo

INTRODUÇÃO: Xerostomia ou boca seca é frequentemente associada à hipofunção das glândulas salivares. A Xerostomia é caracterizada pela redução qualitativa e quantitativa do fluxo salivar e predispõe o sistema estomatognático a diversas infecções, causando cárie, candidíase ou dificuldade com o uso de próteses, é também associada à síndrome de Sjögren e uma complicação frequente pós-radioterapia. A ansiedade, depressão, comprometimento renal crônico, diabetes, doenças autoimunes podem desencadear processos xerostômicos e ocasionar distúrbios gastrointestinais, dificuldade durante a mastigação, disfagia e perda do paladar. O tratamento é paliativo, como salivas artificiais, goles de água ao longo do dia, balas sem açúcar usadas para estimular o fluxo salivar e higiene oral com produtos que contenham lactoperoxidase, lisozima e lactoferina. OBJETIVO: O objetivo deste trabalho é demonstrar os aspectos etiopatogênicos e tratamento da xerostomia. METODOLOGIA: Foi realizada uma revisão bibliográfica através de bases de dados PubMed, Google Acadêmico, Lilacs e Medline. De cinco artigos encontrados, três foram selecionados por se identificarem melhor com os objetivos. CONCLUSÃO: A xerostomia é uma condição incômoda e uma queixa oral comum, o profissional deve orientar o paciente melhor forma de tratamento e maneiras de se obter o alivio para que se evitem maiores comprometimentos da saúde bucal.

Publicado
21-07-2019
Como Citar
Vergutz, P., Fideles Silva, M., Sousa, L., & Rocha, A. (2019). Xerostomia, Diagnóstico e Tratamento. Revista De Odontologia Contemporânea, 3(1 Supl 1), 68. https://doi.org/10.31991/iiisdpbucalv3n1201968
Seção
Resumos ANAIS Simpósio de Detecção e Prevenção Câncer de Boca Noroeste Minas